Páginas

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Concurso para docentes do quadro efetivo do CAp-UERJ: Artes Visuais

 
 
INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA ARTES VISUAIS 40 horas

1 Vaga(s)
Adjunto

A INSCRIÇÃO SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 11/11/2014 ATÉ 18/12/2014 NA SECRETARIA DE DEPARTAMENTOS DO INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA – CAP-UERJ, LOCALIZADO NA RUA SANTA ALEXANDRINA Nº 288, RIO COMPRIDO, RIO DE JANEIRO, RJ, TELEFONE 2333-7873, NO HORÁRIO DAS 09H ÀS 15H.


INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA FOTOGRAFIA 40 horas

1 Vaga(s)
Adjunto

A INSCRIÇÃO SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 11/11/2014 ATÉ 18/12/2014 NA SECRETARIA DE DEPARTAMENTOS DO CAP-UERJ, RUA SANTA ALEXANDRINA, 288 - RIO COMPRIDO - RIO DE JANEIRO - RJ, TELEFONE: (21) 2333-7873, NO HORÁRIO DE 09:00 ÀS 15:00 HORAS.


INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE TEORIA HISTÓRIA DA ARTE 20 horas

2 Vaga(s)
Adjunto

A INSCRIÇÃO SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 05/12/2014 ATÉ 19/12/2014 E DE 05/01/2014 ATÉ 09/01/2015, DAS 10 ÀS 17 HORAS, NO INSTITUTO DE ARTES, SITUADA NA RUA SÃO FRANCISCO XAVIER, 524 – BLOCO E, 11º ANDAR, SALA 11019 - TEL: (21) 2334-0423 E (21) 2334-0912.


INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE TEORIA E HISTÓRIA DA ARTE TEORIA DA ARTE 40 horas

1 Vaga(s)
Adjunto

A INSCRIÇÃO SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 05/12/2014 ATÉ 19/12/2014 E DE 05/01/2014 ATÉ 09/01/2015, DAS 10 ÀS 17 HORAS, NO INSTITUTO DE ARTES, SITUADA NA RUA SÃO FRANCISCO XAVIER, 524 – BLOCO E, 11º ANDAR, SALA 11019 - TEL: (21) 2334-0423 E (21) 2334-0912.


INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE TEORIA E HISTÓRIA DA ARTE TEORIA DA ARTE 20 horas

1 Vaga(s)
Adjunto

A INSCRIÇÃO SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 05/12/2014 ATÉ 19/12/2014 E DE 05/01/2014 ATÉ 09/01/2015, DAS 10 ÀS 17 HORAS, NO INSTITUTO DE ARTES, SITUADA NA RUA SÃO FRANCISCO XAVIER, 524 – BLOCO E, 11º ANDAR, SALA 11019 - TEL: (21) 2334-0423 E (21) 2334-0912.


INSTITUTO DE ARTES LINGUAGENS ARTÍSTICAS ARTES PLÁSTICAS TRÊS DIMENSÕES 40 horas

2 Vaga(s)
Adjunto

A INSCRIÇÃO SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 05/12/2014 ATÉ 19/12/2014 E DE 05/01/2015 ATÉ 09/01/2015, NO INSTITUTO DE ARTES, RUA SÃO FRANCISCO XAVIER, PAVILHÃO JOÃO LYRA FILHO, BLOCO E, 11 ANDAR, SALA 11019, TELEFONES 2334-0423 E 2334-0912, DAS 10H ÀS 17H.


INSTITUTO DE ARTES LINGUAGENS ARTÍSTICAS ARTES PLÁSTICAS: DESENHO, PINTURA, GRAVURA 40 horas

2 Vaga(s)
Adjunto

A INSCRIÇÃO SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 10/12/2014 ATÉ 19/12/2014 E DE 05/01/2015 ATÉ 09/01/2015, NO INSTITUTO DE ARTES, RUA SÃO FRANCISCO XAVIER, PAVILHÃO JOÃO LYRA FILHO, BLOCO E, 11º ANDAR, SALA 11019, TELEFONES: (21) 2334-0423 E 2334-0912, DAS 10H ÀS 17H.


INSTITUTO DE ARTES LINGUAGENS ARTÍSTICAS ARTES PLÁSTICAS: FOTOGRAFIA E ARTES DO VÍDEO 20 horas

2 Vaga(s)
Adjunto

A INSCRIÇÃO SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 10/12/2014 ATÉ 19/12/2014 E DE 05/01/2015 ATÉ 09/01/2015, NO INSTITUTO DE ARTES, RUA SÃO FRANCISCO XAVIER, 524 - PAVILHÃO JOÃO LYRA FILHO, BLOCO E - 11º ANDAR, SALA 11019, TELEFONES: (21) 2334-0423 E 2334-0912, DAS 10H ÀS 17H.


INSTITUTO DE ARTES TEORIA E HISTÓRIA DA ARTE HISTÓRIA DA ARTE 40 horas

2 Vaga(s)
Adjunto

A INSCRIÇÃO SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 15/12/2014 ATÉ 19/12/2014 E DE 05/01/2015 ATÉ 09/01/2015, DAS 10 ÀS 17 HORAS, NA SECRETARIA DO INSTITUTO DE ARTES, SITUADA NA RUA SÃO FRANCISCO XAVIER, 524, PAVILHÃO JOÃO LYRA FILHO – BLOCO E, SALA 11019, 11° ANDAR - TEL: (21) 2334-0423 E 2334-0912.

ED_ADJ_HISTÓRIA DA ARTE.doc


terça-feira, 9 de dezembro de 2014

COLÉGIO PEDRO II abre concurso para professores: inscrições começam nesta terça, 9/12

Concurso para professores: inscrições começam nesta terça, 9/12


O Colégio Pedro II acaba de lançar um novo edital para concurso público para provimento de cargo de professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. As inscrições começam a partir das 14 horas desta terça-feira, 9/12, pelo site do Idecan, empresa realizadora do concurso, e prosseguem até as 23h59 do dia 8 de janeiro de 2015.

De acordo com o edital nº 045/2014, de 4 de dezembro de 2014, serão oferecidas 69 vagas para as disciplinas de Artes Visuais, Biologia, Ciência da Computação, Desenho, Educação Física, Educação Musical, Espanhol, Filosofia, Física, Francês, Geografia, História, Informática Educativa, Inglês, Matemática, Português, Química, Sociologia, Educação Infantil e 1º segmento do Ensino Fundamental.

As inscrições também podem ser presenciais, a partir do dia 9/12 até 8/1/2015, das 8h às 17h30 (segunda a sexta) e das 9h às 13h (sábados). Excepcionalmente, no primeiro dia as inscrições começam somente a partir das 14 horas, na Central de Atendimento aos Candidatos do Idecan, localizada no Colégio Estadual Souza Aguiar, rua dos Inválidos, 121, Centro.

O valor da taxa de inscrição é de R4 160,00. A Jornada de trabalho será de 40 horas semanais com dedicação exclusiva.


Coordenadoria de Comunicação Social

sábado, 29 de novembro de 2014

Unesp - contratação de dois Professores Assistentes Doutores, para o Instituto de Artes.


Unesp de São Paulo - SP abre Concurso Público com vagas para Professor Assistente Doutor


A Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp), em São Paulo - SP, divulgou a abertura do Concurso Público regido pelo edital nº 135/2014, que visa à contratação de dois Professores Assistentes Doutores, para o Instituto de Artes. Os candidatos aprovados serão responsáveis pelo conjunto de disciplinas Laboratório do Corpo e da Voz: I, II, III, VI, V, VI, VII e VIII, do Departamento de Artes Cênicas, Educação e Fundamentos da Comunicação, e farão jus à remuneração de R$ 9.420,91, considerando a jornada de 40 horas semanais. Caso o candidato possua título superior ao exigido, o salário será correspondente ao apresentado.
 
 
As inscrições devem ser efetuadas de 19 de novembro de 2014 a 18 de dezembro de 2014, por profissionais com graduação em curso superior, que tenham, no mínimo, título de Doutor, obtido preferencialmente em cursos de pós-graduação na área de Artes, Artes Cênicas - Teatro, Comunicação e Semiótica, Música e/ou em Dança.
 
O atendimento será realizado na Seção Técnica de Comunicações, situada na Rua Doutor Bento Teobaldo Ferraz, nº 271, Várzea da Barra Funda, São Paulo - SP, das 9h às 11h e das 13h às 16h, em dias úteis. Os profissionais devem efetuar o pagamento da taxa no valor de R$ 75,00.
 
Os candidatos serão avaliados por meio de Provas Escrita, Didática e de Títulos, elaboradas com base no conteúdo programático especificado no edital, que pode ser conferido em nosso site no link abaixo da notícia. Este certame será válido por seis meses, podendo ser prorrogado por igual período.
 

terça-feira, 18 de novembro de 2014

O filósofo, Leandro Konder morreu aos 78 anos

Um dos principais divulgadores da filosofia marxista no Brasil, Konder nasceu em 3 de janeiro de 1936, em Petrópolis, região Serrana do Rio de Janeiro. Foi professor titular do Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica no Rio de Janeiro (Puc-Rio) e do departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF). O filósofo era filho do líder comunista Valério Konder, ex-líder do PCB, e irmão do jornalista Rodolfo Konder, falecido em maio deste ano.

Aos 14 anos, inspirado pela posição política do pai, Leandro Konder ingressou na União Juventude Comunista. Aos 15 anos, foi preso pela primeira vez. Leandro Konder chegou a ser preso e torturado durante a ditadura militar, quando defendeu causas trabalhistas, associações sindicais e se envolveu com militantes e movimentos sociais. O filósofo ficou preso junto com o jornalista Vladimir Herzog. Ele foi o primeiro a denunciar, ainda naquela época, que Herzog havia sido assassinado pelos torturadores da ditadura.
 
Konder foi autor de 21 livros e tem uma vasta produção em conferências, artigos de jornais, ensaios e ficção. Foi eleito, em 2002 o Intelectual do Ano pelo Fórum do Rio de Janeiro da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É autor de “Introdução ao Fascismo”, “As ideias Socialistas no Brasil, “O que é dialética” e “O futuro da filosofia práxis”. Segundo as próprias palavras do filósofo, ele nunca seguiu os conselhos do pai que dizia que ele poderia “falar as besteiras que quisesse”, mas jamais escrevê-las.
 
Coordenou, em conjunto com Michael Löwy, a coleção Marxismo e Literatura da Boitempo Editorial. Em nota a Editora homenageou Konder definindo-o como “um ser humano extraordinário” e “acima de tudo, um amigo e companheiro de lutas”. Pela Boitempo, Konder publicou livros como “Em torno de Marz”, “As artes da palavra” e “Sobre o amor.
Konder pode ser chamado de “inquieto intelectual”. Durante 15 anos participou de um grupo de intelectuais chamado “Os Comuníadas”, uma alusão a “Os Lusíadas”, de Camões, e a palavra comunista. O grupo contava com participantes ilustres como Ferreira Gullar, Sergio Cabral, Milton Temer.
 
Sempre envolvido com política, Leandro Konder foi militante do PCB e do PT e fundador número 101 do Psol. 
 
Konder contou sua vida na autobiografia “Memórias de um intelectual Comunista”. Publicado em 2008, pela editora Civilização Brasileira, o livro reúne anotações pessoais do filósofo desde quando ele tinha 14 anos.
 
Leandro Konder deixa um filho, Carlos Nelson, de 37 anos; a viúva Cristina, com quem foi casado por 38 anos e a enteada Marcela.
 
Despedidas
 
O falecimento de Leandro Konder na quarta-feira comoveu diversos intelectuais e políticos. A Fundação Biblioteca Nacional (FBN) publicou em seu site uma nota de pesar pela morte do filósofo. Na nota, de autoria de Renato Lessa, presidente da FBN, Leandro Konder é chamado de “figura modelar, sempre fiel a seu enredo e horizonte político e intelectual” e que “foi um exemplo do que se pode ser a convivência civilizada com o diverso. Não por mera gentileza, mas pelo respeito à variedade de direções que a inteligência pode assumir”.
 
Destacando as qualidades do filósofo, a nota conclui: “a Biblioteca Nacional, por intermédio de seu presidente, manifesta se profundo pesar pela perda desse grande brasileiro”.
 
 
 
 
 
 
 
 

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

AMOK TEATRO apresenta: "Histórias de Família". (ENTRADA FRANCA.)

Nessa quarta (dia 12), o AMOK TEATRO apresenta: "Histórias de Família".
O último espetáculo da Trilogia da Guerra no Sesc Ginástico.
Av. Graça Aranha, 187 - Centro, Rio de Janeiro Às 19h.
ENTRADA FRANCA.
Bate-papo após o espetáculo.
Única apresentação.
Não percam!

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

O preconceito segundo o episódio do “Sexo e as nega”

Revista Fórum: Por Dennis de Oliveira outubro 23, 2014



Seriado “O Sexo e as Nega”, exibido pela Rede Globo de Televisão


Confesso que ainda não tinha assistido a um episódio completo do seriado “O Sexo e as Nega”. O dia e horário em que ele é transmitido coincide com as aulas que ministro na Escola de Comunicações e Artes na USP. Na terça passada, consegui assistir ao episódio, pois estive em um evento que me permitiu chegar um pouco mais cedo em casa. Como considero que é necessário, para dar mais sustentação às críticas que estão sendo feitas ao episódio pelo movimento negro, fazer uma avaliação mais empírica do seriado, procurei me atentar aos detalhes do seriado.

Primeira coisa que percebi: o seriado é muito ruim. A temática da sexualidade é tratada de forma bizarra e não convincente. No episódio que assisti, o tema foi “preconceito” (por que será a escolha deste tema?). As quatro personagens negras vão a uma loja de roupas. A sensualidade que tentam demonstrar é caricata, sempre fazendo poses sensuais, rebolando, como se todas as mulheres negras andassem assim o tempo todo no seu cotidiano. De tão forçado, as atrizes escolhidas para estes papéis tem o seu desempenho comprometido. Neste episódio, elas gritam, riem alto e rebolam no provador da loja.

A cena do preconceito também é exagerada. Por motivos que se imagina quais, as personagens são discriminadas por um segurança… negro! O mesmo desconfia que uma delas tenha roubado uma peça de roupa. A coisa vai parar na polícia e quem testemunha a favor das negras discriminadas é uma personagem… branca! Que, por um acaso, é patroa de uma delas. Moral da história: uma negra é discriminado por um negro e apoiada por uma branca que é a sua patroa. Maldade da senzala e bondade da Casa Grande.

Mas a maldade da senzala se redime… Na cama! Pois o mesmo segurança que praticou o ato de racismo, vai a casa de uma delas, pede desculpas e o caso acaba numa transa. Um outro conflito resolvido na cama também se dá entre a dona de um bar que demite um empregado negro – mas que, a pedido deste, é readmitido sob a condição de “prestar serviços sexuais” à patroa. Como Gilberto Freire preconizou em “Casa Grande e Senzala”, o sexo é o dirimidor dos conflitos sociais, raciais e de classe.

No meio das cenas, relatos sobre preconceito. Texto lido pelo próprio Falabela conclui que o preconceito está na cabeça das próprias pessoas que não se aceitam como elas são. Uma das personagens negras, em busca de emprego, aceita ser “mulata sambista” em um bar a la “Sargentelli” – recusa de início, mas cede ante a necessidade. E se afirma como “mulata” enfrentando o ciúme de um ex-companheiro. Ou outra personagem negra que, convidada a sair com um playboy branco, é discriminada por uma amiga dele em uma festa e se revolta dizendo que não é porque mora na periferia “é prostituta e drogada”.

No final, todas se confraternizam no boteco da mulher que contratou o empregado negro para favores sexuais. E comemoram com uma batida chamada “Chora nenê”. O episódio do preconceito termina com imagens de líderes como Nelson Mandela, Angela Davis, Martin Luther King, Malcolm X com as personagens negras cantando uma música contra o preconceito.

Afinal, como diz Falabela, preconceito é não se aceitar como é. No caso da mulher negra, é dizer “sou gostosa e daí?” e tirar proveito disto. Se vier o conflito, nada como uma boa transa. Afinal, foi assim que Casa Grande e Senzala se reconciliaram após as chibatadas e exploração do trabalho alheio. E a Globo e Falabela deram o seu recado sobre o que acham do preconceito.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR EM ARTES VISUAIS, ARTES CÊNICAS, MÚSICA, OU EM ÁREAS AFINS.

CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA




O Reitor da UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA, no uso de suas
atribuições estatutárias, de acordo com a Lei nº 12.818, de 5 de junho de
2013, tendo em vista o disposto no Artigo 37, Inciso II da Constituição
Federal, no Decreto nº 6.944/09, no Decreto nº 7.485/11 e na Portaria
Interministerial nº 1.178, de 5/12/2013, observados os termos da Lei nº
8.112/90 da Lei nº 12.772/12, alterada pela Lei nº 12.863/13; das
disposições do Estatuto e da Resolução nº 01/2014 desta Universidade e da
legislação pertinente e complementar, torna público que serão recebidas
inscrições de candidatos ao Concurso Público de Provas e Títulos para
provimento efetivo de vagas da Carreira de Magistério Superior, na CLASSE
A, com a denominação de PROFESSOR ADJUNTO A, Nível 01, de acordo
com normas e condições contidas neste Edital. 

2 Dos Cargos
2.1 O ingresso na carreira do magistério superior dar-se-á mediante
aprovação em concurso público de provas e títulos, para o cargo de
DOCENTE, Classe A, Denominação Professor ADJUNTO A, Nível 01, regime
de trabalho Dedicação Exclusiva (DE), com vencimento básico de 2
R$ 3.804,29, Retribuição por Titulação de Doutorado de R$ 4.540,35
perfazendo remuneração de R$ 8.344,64, em conformidade com a Lei
12.863, de 24 de setembro de 2013.
2.2 São atribuições do cargo:
a) atividades de formação acadêmica, educação continuada e habilitação
profissional de estudantes;
b) produção de conhecimentos, criação artística e cultural, extensão
universitária, desenvolvimento de técnicas, práticas e inovação
tecnológica, ou de outra natureza, resultantes da criação e da pesquisa
nos respectivos campos de saberes e práticas;
c) funções de gestão administrativa e acadêmica, além de outras
especificamente atribuídas por suas instâncias deliberativas. 

2.3 O concurso destina-se ao provimento de cargos docentes cuja
denominação, número de vagas e áreas de conhecimento encontram-se
especificadas no Quadro 1, a seguir apresentado.

QUADRO 1 – ÁREA DE CONHECIMENTO, TITULAÇÃO EXIGIDA E VAGAS 

Campo das Artes: saberes e práticas
Doutorado na grande área das Artes, nas áreas de artes visuais, artes cênicas, música, ou em áreas afins. 

03 VAGAS

Campo da Educação Básica: Saberes e Práticas
Doutorado nas áreas de Educação, Linguística, Letras e Artes; Multidisciplinar ou em áreas afins.

03 VAGAS.

Leitura e Produção de textos em língua portuguesa
Doutorado na Grande Área Linguística, Letras e Artes ou em áreas afins.

03 VAGAS.

Leitura e Produção de textos em língua inglesa
Doutorado na Grande Área Linguística, Letras e Artes ou em áreas afins.

03 VAGAS.

---

As inscrições estarão abertas no período de 06/10/2014 a 10/11/2014 e serão feitas exclusivamente pela Internet


domingo, 21 de setembro de 2014

Prêmio contemplará grupos, artistas e companhias que atuam com estética negra



Estão abertas e seguem até 03 de outubro as inscrições para a 3ª edição do Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras. A proposta é incentivar a afirmação da cidadania, a dignidade das expressões de raízes culturais negras, a divulgação, ampliação e reconhecimento de grupos, artistas negros e companhias, além de suas iniciativas.
Com o investimento de 1 milhão e 400 mil, o Prêmio contemplará 25 projetos de todo o país nas modalidades dança, teatro, música e artes visuais de artistas, grupos e companhias que atendem à estética negra nos segmentos dança, artes visuais, teatro e música.
Concebido em 2006, o edital é  resultado de parceria entre a Fundação Cultural Palmares (FCP), o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Osvaldo dos Santos e Neves (Cadon) e a Petrobrás. Ele atende a demandas apresentadas durante o II Fórum Nacional de Performance Negra, realizado em Salvador onde, os debates estiveram em torno da falta de elaboração de editais públicos e das linhas de financiamentos, direcionadas exclusivamente para o desenvolvimento de artistas, grupos e companhias que trabalhassem com a produção artística de estética negra.
O edital é ainda, uma possibilidade de valorizar a cultura afrodescendente e suas manifestações contemporâneas, potencializando tanto as ações de grupos já estabelecidos no Brasil, quanto as de grupos emergentes. De acordo com Hilton Cobra, presidente da FCP, o Prêmio é a concretização do comprometimento com os artistas que defendem o valor da cultura negra nos palcos, nas ruas, nas galerias, nas telas de TV e do cinema, nos livros e no imaginário brasileiro.
Para participar – Poderão se inscrever pessoas jurídicas, de natureza cultural, com ou sem fins lucrativos e que trabalhem de forma sistemática com as expressões culturais afro-brasileiras, nos segmentos contemplados pelo edital. Além do prêmio em dinheiro, os proponentes selecionados receberão um troféu, em cerimônia realizada, especialmente para este fim, no Teatro Rival BR, localizado no Rio de Janeiro/RJ.
Os finalistas também terão seus nomes impressos em um catálogo com os trabalhos vencedores de todas as categorias, no intuito de promover maior visibilidade ao artista. Em 2010 o site do Prêmio Afro registrou 33.492 visualizações, com visitantes do Brasil, Alemanha, Itália, Argentina, Japão e França. As duas edições realizadas somam mais de 1.400 inscrições. A meta para 2014 é dobrar os números e atingir os 5.570 municípios do país. Confira!
As Modalidades
Teatro – Montagem ou remontagem de espetáculo teatral, performance, festival, circo, seminários, workshop e oficinas gratuitas;
Dança – Montagem ou remontagem de espetáculo de dança, performance, festival, circo, seminários, workshop e oficinas gratuitas;
Música – Gravação de CD de artistas ou grupos que tenham como base de suas composições, gêneros musicais que emergiram ou foram influenciados pela cultura africana e de seus descendentes, como o samba, o maracatu, o ijexá, o coco, o jongo, o maculelê, o maxixe, a lambada, o carimbó, entre outros.
Artes Visuais – Montagem ou remontagem de exposição de artes gráficas, artes plásticas, arte pública e intervenção urbana, fotografia, videoarte, grafite, escultura, gravura, instalação, design, arte tecnológica, multimídia, arte contemporânea, outras expressões das artes visuais não especificadas anteriormente e oficinas gratuitas.
A noite de premiação está agendada para janeiro de 2014, mas ainda sem data e local confirmados.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Artigo: Aderbal Freire-Filho fala sobre o teatro contemporâneo O animal teatral

O diretor e ator Aderbal Freire Filho (Foto: Divulgação)
O diretor e ator Aderbal Freire Filho e a relação entre teatro e cinema (Foto: Divulgação)
Acabo de escrever um artigo para o próximo número da renovada Revista de Teatro da SBAT, sobre a relação entre teatro e cinema, insistindo numa obsessão (insiste-se em obsessões ou obsessões já se chamam assim por serem insistências?): o teatro contemporâneo tem data de estreia, isto é, nasceu a partir do tiro mortal que o teatro recebeu do cinema falado. Explico e depois retomo aqui de onde terminei lá no artigo para a Revista de Teatro.
Quando o teatro admitiu o cinema falado como sócio na grande empresa de diversões públicas Tudo é Mentira & Cia, da qual detinha o monopólio, o cinema falado foi aos poucos abocanhando ações e ações do negócio e acabou como sócio majoritário. A saída foi incluir na holding a empresa Teatro Contemporâneo.
Bom, dou a explicação nesses termos porque pode ser que falando a linguagem do mercado consiga me fazer entender mais facilmente. Continuo. Com a holding incluindo a nova empresa nascida depois da fusão, isto é, a marca Teatro Contemporâneo, o teatro recobra seu poder no negócio. E encaixo tudo isso num paradoxo, que repito sempre e que agora talvez fique mais claro: o teatro reduzido a parcela com o cinema falado (ou a ser apenas um sócio na nova sociedade formada pelos dois, no que antes era monopólio seu), em vez de ficar menor, como seria natural (além de sócio, ainda o sócio minoritário), o teatro cresceu. Isto é, criando a marca Teatro Contemporâneo, sua participação na holding ganhou a parte mais sofisticada da empresa, o setor de alta arte.
O teatro contemporâneo tem data de estreia"
Aderbal Freire-Filho
Não gosto muito do nome Teatro Contemporâneo. Como o teatro é a arte do presente, todo teatro é contemporâneo. Mas entendo porque é chamado assim, nem tudo é perfeito. O certo é que o teatro precisou se reinventar para não ser totalmente engolido pelo novo sócio no negócio. Lembrando: os últimos produtos lançados no mercado pelo antigo detentor do monopólio – o antigo teatro – passaram a ser produzidos pelo novo sócio – o cinema falado – com muito mais perfeição, com infinitamente melhor distribuição, enfim, uma concorrência interna pra lá de desleal. A saída do dono antigo, repito, foi rever toda sua produção e inventar novos e exclusivos produtos.
O antigo monopolista lembrou-se então que tinha, nos seus depósitos, materiais de primeiríssima qualidade que estavam abandonados, como as matérias primas do teatro elizabetano, da comédia dell’arte, da dança, do teatro grego. Tudo tinha sido atirado num velho armazém abandonado e desprezado, no período de dedicação exclusiva a fabricação de um produto burguês realista, a grife que vendia no momento da fusão. Pois agora era o caso de juntar esses velhos materiais com a criatividade (hum... invenção!) dos designers (também não é um bom nome para os encenadores) responsáveis pela criação do novo produto.
Então os diretores, encenadores, poetas da cena, como queiram chamar, abrem o palco, ampliam sua poética. É natural que caiba a eles esse papel, afinal estão com a mão na massa, são eles os que trabalham no atelier, a sala de ensaio. E como trabalham sobre uma literatura dramática pré-existente (mesmo que escrita imediatamente antes), o normal é que inventem um palco novo para um texto que ainda não conhecia esse palco e, por não conhece-lo, não explora suas potencialidades.
Criando novas poéticas na cena, o encenador amplia as possibilidades expressivas desses mesmos textos, especialmente se eles já são geniais, como os de Tchekhov e Nelson Rodrigues, por exemplo, que se debatiam no palco velho (de antes da criação da holding). Aos poucos os dramaturgos começam a conhecer o palco aberto (o teatro contemporâneo, a nova empresa da holding, as novas poéticas da cena, qualquer desses nomes serve) e passam a escrever com esse conhecimento, isto é, a escrever uma nova dramaturgia ou, melhor, uma dramaturgia aberta. O ponto de partida é o palco aberto. Claro, é possível que um novo dramaturgo tenha aberto sua cabeça na leitura de um outro novo dramaturgo que o precedeu e não diretamente no conhecimento vivo das novas poéticas do palco. Depois da primeira geração, multiplicam-se as origens. Mas o ponto de partida é a cena nova, o palco aberto.
Como construir uma linguagem própria, baseada no poder absoluto do ator sobre a cena e no poder absoluto da imaginação do espectador na plateia?"
Aderbal Freire-Filho
Amplia-se e, sobretudo, precisa-se a partir daí o conceito de teatralidade. Muitas vezes uma noção vaga, a teatralidade vai reger o novo teatro. É um conceito que se afirma primeiro por diferenciação: o teatro é o lugar da teatralidade dentro da nova sociedade (em todos os sentidos). E depois por exploração: como construir uma linguagem própria, baseada no poder absoluto do ator sobre a cena e no poder absoluto da imaginação do espectador na plateia? Como criar os símbolos que vão liberar a imaginação do espectador, a partir do corpo e da inteligência do ator?
Um fator importante do teatro contemporâneo é a natureza da ilusão produzida por ele. Diferentemente da ilusão no teatro da “quarta parede”, ou do cinema, a ilusão no teatro vivo (contemporâneo, etc) é descontínua, um jogo de armar e desarmar. O espetáculo tem que agarrar a consciência do rei no meio dessa descontinuidade, a verdade e a mentira alternando-se, os truques desvendados. Por isso, precisa ser feito sobre uma matéria muito especial: a teatralidade, a rede que combina o ator e a nova poética da cena.
O russo Nicolau Evreinof dizia que todos os homens têm um instinto de teatralidade. O que seria isso? Seria, diz ele, a necessidade que todos temos de contrapor imagens da fantasia às imagens da realidade. E aí residiria a necessidade do teatro. É também essa a semente de onde brota naturalmente o teatro, como uma das primeiras manifestações do homem. Cento e tantos anos depois desse russo ter feito essa revelação, o teatro volta a ser o lugar onde melhor esse instinto é satisfeito. No teatro realista, assim como no cinema, diante da ilusão perfeita, o homem recebe de outros as imagens da fantasia, para contrapor às suas imagens reais. É muito bom. Mas é melhor ainda ser também o artista da plateia, que joga o jogo da ilusão, isto é, que contribui com suas fantasias para a festa. E é assim no teatro, digamos, contemporâneo.
É verdade que no fundo do peito, o instinto de teatralidade é sempre rebelde, mesmo diante das imagens autoritárias da realidade ou do cinema. Como nos versos de João Cabral de Mello Neto: “O cachorro que devia ser faminto / tem um ar calmo de sesta. / A vida ela própria não parece representada: / as nuvens correm no céu / mas eu estou certo de que a paisagem é artificial / eu que conheço a ordem do diretor: / - não olhem para a objetiva! / e sei que os homens são grandes artistas / o cachorro é um grande artista.” O poema, sábio João Cabral, tem o título de "Pirandello I", levando o nome de um dos primeiros artistas do teatro contemporâneo, dos primeiros a fazer da ilusão um jogo.
Preferi valer-me da poesia para rodear o território da teatralidade, essa dimensão recuperada pelo teatro contemporâneo"
Aderbal Freire-Filho
E vou continuar no universo poético de João Cabral de Mello Neto para pensar no teatro contemporâneo como a volta ao teatro fundamental: “Deixa que no teu pensamento viajem apenas / os pensamentos que estiveram presentes / na cabeça do primeiro homem / quando ele foi ao teatro.”
Preferi valer-me da poesia para rodear o território da teatralidade, essa dimensão recuperada pelo teatro contemporâneo. Tenho um encontro marcado com dois mestres e amigos e pode vir deles a palavra que torne mais claro esse discurso. Com José Sanchis Sinisterra, dramaturgo e descobridor dos teoremas mágicos da escrita do teatro, e com Marco Antonio de La Parra, também dramaturgo, construtor de mundos a partir de pequenos detalhes. Um espanhol, o outro chileno.
Na excelente série A Teatralidade do Humano, que acontece uma vez por mês no Oi Futuro, do Flamengo, vamos estar os três, esta semana, procurando uma geografia, as fronteiras do teatro. E procurando definir o indefinível, a teatralidade. Pode ser que.
*Aderbal Freire-Filho é dramaturgo, ator e diretor teatral

domingo, 24 de agosto de 2014

DIVULGANDO: WORKSHOP DE TEATRO ESSENCIAL





COMICIDADES - Curitiba/PR

A busca pela descoberta do intérprete, através da comicidade existente no corpo do ator contemporâneo.
Com Reikrauss Benemond – Teatratividade/PR. 
Classificação 16 anos.
Duração 8 horas.
Dias 27 e 28 de agosto de 14h às 18h.
Inscrição até 22/08 pelo email glaucecomvida@gmail.com. Enviar carta de intenção e currículo com nome do grupo de teatro que participa e endereço onde reside.

WORKSHOP DE TEATRO ESSENCIAL 

Quais serão seus meios de reunir corpo com a voz, intuição com a emoção, dados concretos com imagens poéticas - esses serão os elementos que vão gerar a sua particularidade, que te diferenciará de todo comunicador - é respondendo aqui que você se torna uma potência no palco. Nosso intuito nessa oficina é gerar ferramentas para que desenvolva essa potência - alcançável por todos.
Com Denise Stoklos.
Classificação 16 anos.
Duração: 3h. 
Os selecionados devem estar com roupa confortável (que possam deitar no chão, correr, etc.) 
Dia 04 de setembro, das 14h30 às 17h30.
Inscrição até 29/08 pelo email glaucecomvida@gmail.com. Enviar carta de intenção e currículo com nome do grupo de teatro que participa e endereço onde reside.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

DIVULGANDO: OFICINA PRÁTICA DE DRAMATURGIA COM RENATA MIZRAHI




MINISTRANTE: RENATA MIZRAHI

Uma oficina prática que visa estimular a escrita dramatúrgica através de cenas curtas pautadas por temas contemporâneos, em diferentes gêneros. A proposta é, através de leituras de textos clássicos, discussão sobre a dramaturgia universal e exercícios de dramaturgia em aula, cada aluno produzir cenas curtas, incentivando a reflexão sobre a estrutura clássica, motivação da personagem e a importância de diálogos criativos. O Objetivo é dar noções básicas de dramaturgia, afim de estimular e potencializar novos talentos. 

SERVIÇO

De 07 a 28 de setembro
Domingos de 15h às 18h

INSCRIÇÕES ATÉ DIA 01/SETEMBRO ÀS 17 HORAS

Os interessados devem enviar currículo e foto para o e-mail: sededascias@nevaxca.com.br 
A produção entrará em contato com todos os inscritos por e-mail e será divulgada uma lista com os selecionados. Boa sorte!

SOBRE A MINISTRANTE

Renata Mizrahi é dramaturga e roteirista, formada em Artes Cênicas pela UNIRIO. Atualmente, é roteirista da Rede Globo. É fundadora da Companhia Teatro de Nós. Foi vencedora do Prêmio Zilka Salaberry 2010 e 2012, na categoria Melhor Texto, pelas peças “Joaquim e as Estrelas” e “Coisas que a gente não vê”. Seu texto o adulto “Os sapos” foi indicado a melhor texto do Prêmio Cesgranrio 2014 e do FITA 2013. Ao lado de Priscila Vidca, Renata foi indicada também ao prêmio revelação de melhor direção na FITA 2013 por “Os sapos”. Sua ultima peça, o adulto "Silencio!" estreou em agosto de 2014 no Espaço sesc. Em novembro estreia "Galápagos" no CCBB. Foi inidcada ao prêmio Zilka salaberry 2013 pelo texto "Nadistas e Tudistas". Escreveu mais de 10 peças, entre elas: “Bette Davis e a Máquina de Coca-Cola” (com Jô Bilac), “Francisco e o Mundo”, “Cuide bem das Orquídeas”, “Rua dos Sonhadores”, “Nada que eu disser será suficiente até que o sol se ponha” e “5 Atos”. Em parceria com Julia Spadaccini, escreveu “Um dia Anita”, e, com Fernando Caruso e César Amorim, “Lar...”. Escreveu ainda a peça inédita "O aviador”. Escreve para o blog: aotempopalavras.blogspot.com

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

MUITO BARULHO POR NADA, William Shakespeare


 




MUITO BARULHO POR NADA (Much Ado About Nothing)


Em meio a um ambiente de alegria e festa, o amor até pode vir a florescer, mas existem pessoas interessadas em semear a discórdia. Deparamos então com segredos, enganos, intrigas, brigas, calúnias, acusações, tramoias e trocadilhos. Problemas que surgem porque alguém nota ou ouve alguma coisa, entende mal ou faz uso errado da informação obtida, causando muita confusão e muito barulho, o que deixa, pra lá de temperada, essa deliciosa comédia de William Shakespeare.



A partir de 15 de agosto.



Local: Teatro Luiz Peixoto - Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Penna



FICHA TÉCNICA:



Texto: William Shakespeare
Tradução: Barbara Heliodora
Direção: Luciano Loureiro



Elenco: Fernanda Carvalho, Lu Gomes, Marcelle Bessa Bens, Nívia Terra, Thainá Cordovil, Fábio Lacerda, Giuseppe Marin, Herton Gustavo Gomes, Raffael Araujo e Vinicius Soares.



Atores convidados: Eduardo Fraga e Farley Matos.



Cenário e Figurinos: Daniele Geammal
Direção Musical: Raoni Costa
Preparação de Canto: Cyrano Moreno Sales
Preparação Vocal: João Carlos Lopes
Preparação Corporal: Vera Lopes
Iluminação: Renato Machado
Caracterização: Rogerio Garcia
Pesquisa e Teoria: Simone Kalil
Produção: Érica Ferreira Erika — com Giuseppe Marin, Nívia Carla, Lu Gomes, Herton Gustavo, Marcelle Bessa Bens, Graciana Valladares, Raffael Araujo, Thainá Cordovil, Vinicius Soares, Fernanda Carvalho e Fábio Lacerda. — em Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Pena.



domingo, 10 de agosto de 2014

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA PEDAGÓGICA da ETET Martins Penna 2.2014


  1. PROGRAMAÇÃO DA SEMANA PEDAGÓGICA

    DIA 11/ AGOSTO

    20H – Abertura 
    Documentário sobre a obra do homenageado da Semana Pedagógica: 
    “William Shakespeare”.

    18H30- Bate papo com Fernanda Oliveira
    Atriz, formada pela Escola de Teatro Martins Pena, proprietária do CineSanta no bairro de Santa Tereza, espaço tombado recentemente através do projeto apresentado pela Câmara dos Vereadores- RJ. O CineSanta foi vencedor do prêmio Ancine na categoria de exibição de filmes nacionais por três anos consecutivos, sempre com ênfase em filmes de arte. Desde 2012 responde pelo Cine Cândido Mendes em Ipanema. Recentemente responde pelo Teatro Cândido Mendes, programação e pauta.

    DIA 12/ AGOSTO 

    18h30 - Bate papo com Ricardo Blat 
    Ator e diretor teatral. Detentor dos prêmios: Mambembe, Coca-cola e Shell.
    Realizou trabalhos em cinema com destaque para “Anjos do Arrabalde”, entre outros. Sua mais recente participação em TV, foi em “Meu Pedacinho de Chão” no papel de Prefeito das Antas.

    20H – Teatro - O Interrogatório/ Etapa II – Noite 

    Texto adaptado da obra de Peter Weiss
    Direção de Ana Brasil

    DIA 13/ AGOSTO 

    18h30 - Bate papo com Miriam Ficher
    Atriz, dubladora e diretora de dublagem. Sua voz é conhecida nos papéis interpretados por: Angelina Jolie, Jodie Foster, Nicole Kidman, Uma Thurman, entre outras. Dentre os seriados, “Família Dinossauro”, entre tantas outras

    20H – A Pulga Atrás da Orelha/ Etapa III-Noite

    Texto de George Feydeau
    Direção de Carmem Frenzel

    DIA 14/ AGOSTO 

    17H – Ralé/ Etapa II-Tarde
    Texto de Máximo Gorki
    Direção de Jaqueline Lobo

    18H30 – Bate papo com Ernesto Piccolo
    Ator e diretor, com trabalhos em cinema, teatro e televisão.
    Na TV dirigiu a minissérie da Globo, “Cinquentinha”. Em novela destaque para sua participação em “Alma Gêmea”. Em cinema, ator premiado em vários filmes.

    Bate papo com José Dias
    Professor titular da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Atualmente ministra curso de pós-graduação em Teatro. Cenógrafo premiadíssimo (Shell, Mambembe, Molière, Coca-Cola) inúmeras vezes, pelos seus trabalhos em teatro e cinema. E também com importantes incursões na TV em novelas e minisséries.

    20H – A Vida como ela é ou não/ Etapa III-Noite
    Apresentação Musical
    Direção Musical: Márcio Carvalho
    Assistência Musical: Fernando Guihon

    DIA 15/ AGOSTO 

    17H – Ralé/ Etapa II-Tarde
    Texto de Máximo Gorki
    Direção de Jaqueline Lobo

    20H – Estréia – Muito Barulho por Nada
    Direção de Luciano Loureiro

    DIA 16/ AGOSTO 

    16H – Núcleo de Pesquisa Corporal em Dança para Atores Apresenta:
    “Nossos Espaços Vazios” e “SOPRO”

    Direção: Roberto Lima
    Coreografia: Rodrigo Gondim e Roberto Lima
    Figurino: Nívea Faso

    20H – Muito Barulho por Nada
    Direção de Luciano Loureiro

  2. DIA 17/ AGOSTO
  3. 16H – Núcleo de Pesquisa Corporal em Dança para Atores Apresenta:
    “Nossos Espaços Vazios” e “SOPRO”
    Direção: Roberto Lima
    Coreografia: Rodrigo Gondim e Roberto Lima
    Figurino: Nívea Faso

    20H –Muito Barulho por Nada
    Direção de Luciano Loureiro

  4.  

domingo, 3 de agosto de 2014

FESQ abre inscrições com ajuda de custo para viagem dos grupos até Cabo Frio

INSCRIÇÕES ABERTAS!!! 
Ate dia 14 de agosto!!!
edital no site www.fesqcabofrio.com 

Festival de Esquetes é um dos principais do país e rola de 9 a 13 de setembro

As inscrições para o Festival de Esquetes de Cabo Frio (FESQ) têm duas grandes novidades em 2014. A primeira é que todos os grupos selecionados irão receber uma ajuda de custo que pode chegar até R$ 400 para locomoção, além da premiação para os vencedores. A outra é que, a partir de agora, nada de papéis: para se inscrever, basta ir no site: www.fesqcabofrio.com

A 12ª edição de um dos principais festivais do gênero no Brasil já começou para os grupos que pretendem estar no Teatro Municipal de Cabo Frio de 9 a 13 de setembro. As inscrições vão até o dia 14 de agosto e a seleção será feita a partir dos textos, propostas de encenação e vídeos apresentados, que serão julgados por uma comissão composta por profissionais da área teatral. O resultado dos 20 esquetes selecionados será divulgado no dia 22 de agosto. O edital com o regulamento também está disponível no site.

Os grupos se apresentam inicialmente nos dias 9, 10, 11 e 12 de setembro, sendo cinco esquetes por dia. No último dia da primeira fase são divulgados cinco finalistas, que se reapresentam no dia 13 concorrendo aos prêmios. Nas categorias de “Melhor Texto Original”, “Melhor Figurino” e “Melhor Concepção Cenográfica”, os vencedores recebem troféus e certificados. Para a categoria de “Melhor Esquete - Júri Popular”, o prêmio é de R$ 500. Nas categorias de “Melhor Ator”, “Melhor Atriz” e “Melhor Direção”, os vencedores recebem R$ 600. E os três “Melhores Esquetes” receberão R$ 1.300 cada um. 

Atenciosamente,


Produção
Pablo Alvarez 
(22) 9 7401-5537

Assessoria de Imprensa
Tomás Baggio
(22) 9 7401-5537

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Morreu na tarde desta quarta-feira, 23/7, aos 87 anos, o escritor e dramaturgo Ariano Suassuna.

Maior representante do teatro brasileiro ligado às raízes populares, em 1957 escreveu “O Auto da Compadecida”, uma de suas peças mais conhecidas. Criador do “Movimento Armorial”, voltado ao mapeamento e à valorização de formas populares de arte, também escreveu livros célebres, como o “Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta”, de 1971. Em 2012, o governo brasileiro escolheu o autor para ser indicado ao Prêmio Nobel de Literatura daquele ano.
Ao longo de 87 anos, Ariano soube como poucos revelar as nuances da cultura nordestina. Paraibano, fundou o Movimento Armorial nos anos 70, que tinha como objetivo utilizar a cultura popular para formar um arte erudita. A perda do escritor nos silencia, mas seus livros o eternizam na nossa memória. Em cada peça popular, em cada canto nordestino, Ariano Suassuna, reviverá.

Pensar que vai morrer prejudica a qualidade de vida, e eu sou um apaixonado pela vida"
Ariano Suassuna 

“O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso.”
Ariano Suassuna
---
Carreira
Nascido em João Pessoa (PB), em 16 de junho de 1927, o dramaturgo foi reverenciado pela crítica e pelo público em seus 87 anos de vida, ganhando o título de "Mestre" por seus fãs. Em 3 de agosto de 1989 foi declarado imortal pela ABL.

Entre suas obras, destacam-se a peça "Auto da Compadecida" (1955), que o projetou no cenário nacional e já foi adaptada para a televisão e o cinema, e "O Romance d'A Pedra do Reino" e o "Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta" (1971), também adaptado para TV na microssérie "A Pedra do Reino" (2007), da Globo.

Em entrevista à revista IstoÉ, publicada em 2007, às vésperas de completar 80 anos, o "Mestre" foi questionado se teria encontrado uma maneira de rir da morte. A resposta se tornou eterna: "Eu digo sempre que tenho duas armas para lutar contra o desespero, a tristeza e até a morte: o riso a cavalo e o galope do sonho. É com isso que enfrento essa dura e fascinante tarefa de viver".